Ecos da ETA 2017

  Grupo de Estudo da Tiroide da SPEDM
  com o apoio Merck, s.a.

Newcastle recebe Congresso Anual da ETA em 2018

Ontem, terça-feira, foi o último dia do 40.º Congresso Anual da Associação Europeia da Tiroide (European Thyroid Association - ETA), que se realizou em Belgrado. O programa científico decorreu apenas durante a manhã e ficou reservado sobretudo para comunicações orais e entrega de prémios.

Nas comunicações orais de ontem, a temática do iodo na função tiroideia foi abordada por vários grupos de trabalho da Dinamarca, país que tem um programa universal de suplementação de iodo. Apesar de, atualmente, não existir défice de iodo na Dinamarca, a percentagem de diagnóstico de hipotiroidismo tem aumentado e a levotiroxina é o segundo fármaco mais prescrito naquele país.

Um grupo francês realizou um trabalho com o objetivo de avaliar a eficácia e a toxicidade do lenvatinib no tratamento do carcinoma diferenciado da tiroide refratário ao iodo durante o período de um ano. Foram incluídos 88 doentes tratados em 24 centros com uma dose mediana de 20 mg/dia e tempo mediano de tratamento de 6 meses. A maioria dos doentes teve resposta parcial ou ausência de progressão. Os efeitos laterais mais frequentes foram astenia, perda ponderal, hipertensão arterial e diarreia. Concluíram que este fármaco é eficaz no tratamento do carcinoma diferenciado da tiroide refratário ao iodo, mas que necessita de vigilância estreita e tratamento dos seus efeitos laterais.

A Dr.ª Deborah Levie (Barcelona) apresentou um trabalho que pretendeu avaliar a associação entre a função tiroideia materna nos primeiros meses de gravidez e a presença de traços autistas na descendência. Foram utilizados dados de três países europeus -- Espanha, Holanda e Reino Unido -- e foram incluídas 7778 mães/crianças. Os resultados deste estudo de coorte mostraram que tanto os valores baixos de T4 livre (abaixo do percentil 5) como os valores altos (acima do percentil 97,5) numa fase inicial da gravidez estão associados a maior risco de traços autistas na descendência. Como conclusão, este estudo sugere que existe um intervalo ótimo de T4 livre para a gravidez.

Investigadores da Universidade de Roma realizaram um trabalho que pretendeu avaliar o efeito in vivo do pH gástrico na dose diária efetiva de levotiroxina. Foram incluídos 40 doentes e procedeu-se à realização de endoscopia e biópsia gástrica em todos os doentes. Os investigadores comprovaram in vivo que quanto menos ácido é o pH gástrico maior é a dose de levotiroxina necessária para tratar efetivamente o hipotiroidismo. Observaram ainda que o pH gástrico é uma variável independente para a dose de LT4.

O 41.º Congresso Anual da Associação Europeia da Tiroide (ETA) já está marcado para Newcastle, em Inglaterra, e irá decorrer de 8 a 11 de setembro de 2018.

Um serviço com o apoio: